O que é a consciência?

Somos mais do que os nossos olhos podem ver. Somos um corpo, que abriga uma alma e possui um espírito. O corpo é que nos mantém em contato com o MUNDO exterior por meio dos sentidos: a visão, a audição, o tato, paladar e o olfato. A alma diz respeito a quem somos, nossos sentimentos, nossas emoções, nossa razão, nosso temperamento. E o espírito é a parte mais interior e profunda de nosso ser. É no espírito que acontece a comunhão com Deus.
Nossa consciência faz parte da nossa alma. E ela é tão importante porque nos traz, por assim dizer, a noção do que é certo ou errado. Mesmo um ímpio, que não tenha ainda sido salvo e, portanto, não tem a pessoa do Espírito Santo falando em seu coração, tem a noção do que é correto ou não, justamente por causa de algo que Deus deu a todo homem, todo ser humano: a consciência.

Todos os homens têm essa consciência, que é sensível. Com certeza, já ouviu essa expressão antes: “Mas, você não tem consciência?!” Sim, a pessoa tem. Mas ela pode estar enfraquecida, cauterizada, doente, porém, ela está lá dentro.
A consciência tem um papel fundamental na vida de todo ser humano e toda sua desgraça é exatamente essa grande batalha que ele tem para não ouvir ou não essa lâmpada interior que Deus colocou dentro dele, que é a consciência. Em 1 Timóteo 1.5. Diz assim a Escritura: “Ora o intuito da presente admoestação visa o amor que procede de um coração puro, de consciência boa e de fé sem hipocrisia”.
Esse verso consta da introdução da carta do apóstolo Paulo ao seu filho na fé, Timóteo, quando ele afirma que o amor procede não só de um coração puro e de uma fé sem hipocrisia, mas de uma boa consciência. E uma boa consciência tem tudo a ver com a verdade. E como precisamos ser verdadeiros conosco mesmos, com os outros e acima de tudo, com o Senhor.
Tão interessante essa questão da consciência! Quando percorremos os salmos, vemos muito dessa questão e como isso tinha importância, em especial na relação com Deus. O Salmo 51, vemos Davi após ter cometido adultério com a esposa do capitão de seu exército, Bate-Seba. Sua consciência o acusava.
Esse é um exemplo, digamos, “negativo”, de quando Davi pecou, ainda que, claro, tenha se arrependido. Agora veja um exemplo positivo por assim dizer. É o desabafo de alegria por uma bênção conquistada. Ana, esposa de Elcana e mãe Samuel, era estéril. Até Deus agir em seu favor, quando ela então é agraciada com a bênção da concepção. E após ter gerado a Samuel, ela o consagrou ao Senhor e o dedicou ao serviço do templo. E aí ela se derramou diante de Deus (Veja 1 Samuel 2).
Se existe, como Paulo menciona, uma “boa consciência”, também há uma “má consciência”, no sentido da falta dela ou de sua deturpação. Mas isso pode ser alterado pelo poder do Espírito Santo. Lembram-se daquele homem que chegou à reunião onde Jesus estava e suas mãos eram secas? Jesus como que diz: “Olha! Não serve!” E Jesus cura aquele homem (Veja Mateus 12.9 a 13).
Assim, como a mão de um homem foi tocada pelo poder de Deus, a consciência também pode ser tocada por Ele. Existem pessoas cuja consciência está cauterizada.
A sua consciência pode levá-lo a tomar decisões, seja a de buscar a Deus ou a de partir para longe dele, enganando a si mesmo e rumando para outra direção. No Jardim do Éden, quando o homem peca e vê a besteira que fez, ele corre, foge da presença de Deus. O que o fez fugir da presença de Deus? Exatamente a consciência: “Eu errei!” é essa sensibilidade.
Se perdermos a sensibilidade na nossa caminhada com o Senhor, perdemos tudo. Ninguém pode ter paz com a consciência maculada.
Não existe nada mais belo na terra que conhecer Jesus e viver com Ele. Mas, por outro lado, essa sensibilidade leva a ter a vida leve. A vida de Deus em nós!
Deus abençoe!

Pr. Márcio Valadão.
Fonte: Lagoinha.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

AMIZADE VERDADEIRA - I SAMUEL 18:1-5

FRASES DO TWITTER DO APÓSTOLO RENÊ TERRA NOVA