Jesus me abraçou naquele dia!

Foto: internet
Minha mãe nos vestiu com uma roupa especial naquela tarde, embora não fosse dia de festa. Havia excitação na sua voz, que nos convocou: “Vamos, rápido! Levaremos vocês até Jesus de Nazaré”. Meu irmãozinho mamava ao peito enquanto ela distribuía ordens e providências. O irmão mais velho aguardava solene à porta. Ele ouvira na sinagoga que os líderes religiosos, preocupados com o crescente número dos seguidores de Jesus, começaram a persegui-lo. Meus pais se incluíam no grupo que acreditava que Jesus era o Messias e, juntamente com outras famílias, resolveram levar seus filhos para serem abençoados por ele.

Animados e agitados, chegamos ao canto da praça onde Jesus estava. Havia muitas crianças, algumas das quais eu conhecia da vizinhança. Jesus, sentado em meio aos adultos, falava de assuntos sérios. Quando os pais levaram seus filhos para mais perto dele, escutamos vozes exaltadas. Um dos discípulos, com voz de trovão, falava e gesticulava, reclamando da algazarra que as crianças faziam.
Uma família resolveu sair, seguida por outras. Minha mãe, com o semblante triste, me explicou o que estava acontecendo; os discípulos estavam nos mandando embora: “Vão embora, levem seus filhos para casa. Não importunem o mestre”. Quando as crianças, decepcionadas, começaram a desfazer a roda, ouvimos Jesus dizer: “Fiquem, não se vão!”. A seguir ele censurou energicamente seus discípulos, o que nos deixou surpresos. Mas o que ele falou depois me pareceu ainda mais estranho aquele dia…
As crianças aproximaram-se de Jesus, que as abraçou e abençoou, uma a uma. Tímida, escondendo-me atrás das pernas de minha mãe, eu não ousava ir até ele. De repente, ele acenou com a mão e disse: “Menina, venha cá!”. Caminhei a curta distância com rubor no rosto. Ele me abraçou sem pressa. Pequenina, coloquei meu rosto em seu peito. Como ele era grande, forte, e que sorriso bonito! Queria ficar ali para sempre. Jesus colocou a mão sobre minha cabeça e me abençoou. No final da tarde, quando os últimos raios de sol se escondiam no horizonte, voltamos para nossas casas. As crianças estavam ainda mais serelepes.
Meus pais reencontraram Jesus outras vezes. Certa noite, muito tristes e abatidos, nos contaram de sua morte tão trágica. Mas, passados três dias, nos deram a incrível notícia de que Jesus estava vivo novamente e aparecera a eles num dos encontros dos discípulos. Continuamos a participar das orações e do ensino e estávamos presentes no dia em que o Espírito Santo desceu sobre o grupo de seguidores de Jesus.
Desde o dia daquele abraço, também sou uma seguidora de Jesus. Já não sou mais aquela criança que se aconchegou em seu peito. Agora, adulta, as palavras ditas aos discípulos que eu tanto estranhei ainda ressoam em minha mente: “Em verdade vos digo: Quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira alguma entrará nele”.
Se o orgulho e o desejar coisas grandiosas demais me rondam, se me sinto tentada a participar de disputas, se minha índole incrédula quer sair de sua cela, se medo ou ansiedade fogem ao controle, se há frieza à volta ou dentro de mim, se me sinto desalentada e triste – recorro à memória daquele encontro. Volto àquele abraço, em que alegria, entrega, confiança e esperança me dominaram.
Não foi um abraço qualquer. Quem me aconchegava e me abençoava era Jesus, o Filho de Deus. Era o próprio Deus! Ele continua vivo dentro de mim por meio do Espírito Santo. Entre outras coisas, lembra-me constantemente: “Venha até mim”. E, por sua graça, permaneço criança.

Por Klênia César Fassoni
Fonte: Lagoinha.com

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FRASES DO TWITTER DO APÓSTOLO RENÊ TERRA NOVA

AMIZADE VERDADEIRA - I SAMUEL 18:1-5