É TEMPO DE REFORMA

No dia 31 de Outubro, comemora-se a Reforma Protestante, um tempo de mudanças radicais que ocorreram na Idade Média. Hoje, em pleno século 21, Deus continua convocando Seus filhos para serem reformistas, defensores da sã doutrina e ministros do Evangelho da Graça de Cristo

O dia 31 de Outubro marca um dia de mudanças radicais. É o dia em que se comemora um fato ocorrido no alvorecer do século XVI que ficou conhecido como Reforma Protestante. A Reforma não foi um fato isolado, não aconteceu pela intervenção de um único homem ou ainda de um grupo apenas.

No final da Idade Média, os fundamentos do Velho Mundo estavam ruindo; foi um período de muitas mudanças, incluindo as descobertas da América por Colombo e, logo em seguida, do Brasil, por Cabral; a economia comercial começou a se fortalecer tomando o lugar do feudalismo; o Renascimento Cultural abriu os horizontes e a maneira de pensar do povo, que até então vivia oprimido por pesados impostos e por inúmeras exigências que eram ditadas pela Igreja.

Foi nesse palco mundial que despontou a figura do monge agostiniano Martinho Lutero. Creio que nosso Deus é Soberano e controla os destinos do mundo e sabe o momento exato de agir em cada situação. O Apóstolo Paulo fala em Gálatas 4:4 que: “Mas, vindo a plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de mulher, nascido sob a lei”. Deus enviou Jesus quando o cenário mundial estava preparado para recebê-lO. Da mesma forma, O Senhor usou um homem temente a Ele e que buscava encontrar a verdade para os problemas atravessados pela Igreja naquele tempo.

Ao estudar o livro de Romanos, esse homem de Deus foi impactado pela leitura, principalmente do oitavo capítulo que começa com a seguinte declaração: “Portanto agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus, que não andam segundo a carne; mas segundo o espírito”. Ora, se não havia mais condenação, por que comprar indulgências para salvação? A salvação é um Dom de Deus e depende exclusivamente da fé em Suas promessas e da Sua Graça maravilhosa. Mas, o que eram as indulgências?

As indulgências eram um documento vendido pela Igreja e que dava um salvo conduto para a salvação. O objetivo principal das indulgências era conseguir fundos para construção da Basílica de São Pedro e sustentar o Clero que estava completamente afastado dos princípios do Evangelho da Graça de Cristo, e vivia em luxo e ostentação, além de práticas que estavam diametralmente opostas aos Princípios Bíblicos.

Antes de Lutero, muitos se opuseram aos desmandos da Igreja medieval; eles queriam fazer uma reforma dentro da própria Igreja, inclusive Lutero, mas eram persuadidos a mudar de ideia, ou eram desprezados. A faísca, porém, para que estourasse a Reforma, veio em 1517, quando começaram as campanhas das indulgências que eram pregadas pelo dominicano Tetsel e que, segundo a história, dizia com exibicionismo, que a cada moeda que caía na bolsa do frade, uma alma saia do purgatório.

Foi, então, que Lutero afixou suas famosas 95 teses contra a doutrina da Igreja, na entrada da Catedral de Wittenberg, na Alemanha. Quando lemos as 95 teses, observamos que aquilo era o começo de tudo que viria a seguir. O mundo nunca mais foi o mesmo!

Várias foram as tentativas da Igreja romana de calar Lutero, mas Deus era com ele e começaram a surgir vários reformadores como Zwinglio e Calvino, além de aliados políticos e poderosos.

A verdade começou a brotar e em todo mundo houve mudanças extraordinárias; a luz do Evangelho voltou a brilhar e milhares de milhares de pessoas conheceram o verdadeiro Evangelho da Graça de Cristo. Mas isso foi só o começo e até hoje mudanças ocorrem sempre que a Igreja ou os líderes religiosos começam a pregar outro Evangelho.

Hoje, Deus nos desperta para estamos em vigilância, não permitindo que doutrinas malignas se infiltrem na Igreja, alertando-nos que viver o Evangelho puro e genuíno deve ser nosso foco, lembrando-nos de que os reformadores sempre defenderam algo muito precioso: a sã doutrina.

Não podemos viver de ondas de avivamento, de modismos, mas buscando, como pessoa e como Igreja, uma verdadeira reforma interior que nos impulsione a transformar todo nosso exterior e o meio que vivemos. “O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres, enviou-me a curar os quebrantados de coração, a apregoar liberdade aos cativos, a dar vista aos cegos, a por em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor.” (Isaías 61:1-3)

Somos reformadores para este tempo! Somos daqueles que não se conformam com o mundo, que não tomam a forma daquilo que não é Princípio de Deus! Somos chamados para uma grande obra, para pregar a maior Reforma que foi estabelecida nesta Terra: o sacrifício redentor de Cristo Jesus na Cruz do Calvário e o poder da ressurreição.

Fonte: MIR

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FRASES DO TWITTER DO APÓSTOLO RENÊ TERRA NOVA

AMIZADE VERDADEIRA - I SAMUEL 18:1-5