Qual efeito a pregação tem Surtido em você?

“Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do SENHOR?” (Is. 53.1).
O culto é um encontro com Deus. Um encontro relacional.
Quando dobramos os joelhos e confessamos nossos erros, estamos nos desculpando com o nosso Amado do que fizemos que lhe desagradou, lhe aborreceu ou desprezou.
Quando louvamos, estamos elogiando as características do nosso Amado, estamos valorizando sua forma de se manifestar a nós. Seu jeito de nos tratar, de cuidar de nós, de nos amar.
Quando ofertamos, expressamos nosso interesse em ver sua casa, que é o nosso ponto de encontro, sempre limpa, zelada, arrumada, linda para recebê-Lo e confortável para acolher-nos enquanto ali estamos juntos. Com o ato de ofertar e dizimar dizemos para Deus que nos importamos com o lugar em que Ele escolheu para se manifestar a nós juntamente com outros filhos Dele e irmãos nossos.

Como todo relacionamento demanda comunicação, diálogo, falar e ouvir, na pregação ouvimos Deus falar conosco. Falar do que Ele gosta em nós e o que Ele realmente aborrece. Na pregação é a vez de Deus falar e a nossa de ouvir. O próximo encontro com Ele será determinado pelo que fizermos com tudo o que Ele disse neste encontro. Se ao que Ele disser, não dermos ouvidos, o próximo encontro será indiferente, pois se ele aparecer, não vai nos ouvir e, talvez também não fale mais.
Me parece que o fato de haver pregadores na TV ou na internet incutiu nas pessoas a ideia de que culto existe para ser assistido. Pois presenciamos tanta apatia nos cultos. Tanto desinteresse. O povo parece está cansado de louvar, desmotivado para adorar e impaciente para ouvir o que é pregado.
A pregação é uma das partes do culto que mais nos aproxima de Deus. Pois revela seu coração para nós. É a resposta do Senhor a todos os atos prestados no culto. É quando o Senhor assume a direção do púlpito e revela-se ao seu povo. Mas infelizmente, ela tem perdido seu valor dentro das igrejas.
João Calvino o grande reformador dizia com insistência que o púlpito é o trono de onde Deus governa sua igreja.
Tanto pregadores como os demais que vão à igreja não estão dando à Palavra o crédito que ela merece. Os pregadores porque tem se tornado homens sem compromisso bíblico e os ouvintes porque tem se tornado expectadores mortos, que não se preocupam em praticar o que recebem.
A AÇÃO DA PALAVRA
“Porque, assim como desce a chuva e a neve dos céus, e para lá não tornam, mas regam a terra, e a fazem produzir, e brotar, e dar semente ao semeador, e pão ao que come, Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei.” (Isaias 55.10,11, grifo meu).
O texto do profeta Isaías revela a ação da palavra quando é recebida pelos verdadeiros adoradores. Ele se utiliza de termos como: regar, fecundar e fazer brotar. Utilizar-nos-emos desses três verbos para conduzir a reflexão deste capítulo.
A AÇÃO DA PALAVRA E OS IMPEDIMENTOS NO PROCESSO DE REGAR
Não se pode regar um solo coberto; no reino espiritual (cristão) nada ocorre num passe de mágica. Por vezes as pessoas estabelecem um estilo de vida completa e totalmente diferente daquilo que o Senhor deseja para elas e querem mudança de vida num único dia que entram no templo, esperam melhoras de vida, mas não querem deixar os erros que estão cobrindo suas vidas. Não se rega um solo coberto. É necessário remover o que está cobrindo para depois, quando o solo estiver livre, efetuar a irrigação. Enquanto mudanças não forem feitas, inútil será orar pedindo chuva, pois mesmo que chova a pessoa não será molhada. Se esperamos que Deus faça as mudanças que precisamos, Ele também espera que façamos as mudanças que podemos.
Não se pode regar um solo onde já se construiu sobre ele; a maior parte da obra de Deus em nós envolve destruir o que edificamos ao longo das nossas vidas. Todos nós sabemos muito bem que para se irrigar um solo sobre o qual há uma construção é necessário demolir o que ali foi edificado. A Bíblia diz que a palavra de Deus é como o martelo que esmiúça a pedra (Jr. 23.29). Precisamos deixar que a palavra de Deus derrube as paredes do nosso antigo modo de viver. Deus não derrubará nenhuma parede e não quebrará nenhuma pedra até que nos entreguemos totalmente a Ele. Certamente depois que as paredes forem demolidas, Ele regará a terra seca e ela será como um manancial, cujas águas nunca faltam (Is. 58.11).
Não se rega um solo inútil. Quem se importaria em investir para irrigar uma terra estéril? Assim também muitas pessoas, embora venham à igreja, não dão o menor valor à palavra que é pregada. Essas pessoas se tornaram estéreis e agora não se permitem molhar pelas águas de Deus. Muitas delas precisam de libertação, de cura espiritual, de uma reviravolta em suas vidas, mas não se deixam molhar. Por vezes acusam os pastores por não serem libertas. Apontam como razão para sua permanência nas misérias e mazelas espirituais os líderes da igreja. Elas não deixam que o adubo do Espirito Santo lhes restaure a comunhão, a fé e a esperança na ação do Pai.
A AÇÃO DA PALAVRA E OS OBSTÁCULOS ENFRENTADOS PARA FECUNDAR
Não se fecunda um solo rochoso, duro, inquebrantável. Na narrativa da ressurreição de Lázaro em João 11, aprendemos que há pedras no caminho do milagre que cabem ao homem remover e não a Deus. Nunca haverá mudança numa vida que não abandonar o coração de pedra. O coração pedregoso é o inverso do coração quebrantado. Este último jamais é desamparado por Deus (Sl. 51.17), no entanto o coração duro é sempre resistido por Deus (Tg. 4.6). Nada pode ser plantado até que todas as rochas sejam tiradas, plantar é com Deus remover os pedregulhos é conosco.
Não se fecunda um solo impermeável, que não deixa a água entrar. Este tipo de solo é interessante, ele recebe a água, é molhado, mas não a absorve. Toda água que cai sobre ele fica na superficialidade, não desce às profundezas. As pessoas que são desse jeito, nunca ouvem Deus numa pregação. Ouvem o que é pregado, mas não aceitam como palavra de Deus, para elas a mensagem que é ministrada no púlpito não passa da exposição dos pontos de vista do pregador. Penso que duas situações podem produzir esse tipo de pessoa: em primeiro lugar o ceticismo, a incredulidade, a incapacidade de crer na mensagem de Cristo. E depois a pessoa que já foi muito pisada, pois todo solo duro e impermeável um dia já foi terra boa, mas por ser pisada com tanta constância acabou por se tornar dura. Mas para receber das águas de Deus é necessário abrir-se ao que o Senhor quer fazer. Muitas vezes essa terra árida se quebra com a ação do sol e quando vem a chuva por essas fendas abertas a água pode penetrar. Mas não deixemos que sejamos quebrados pelo calor para permitir a ação de Deus, nos abramos espontaneamente e vejamos o que Deus fará.
Não se fecunda um solo arenoso, sem firmeza. O solo arenoso tem características maléficas para o que é plantado nele. Uma semente plantada num solo assim pode ser facilmente descoberta pelo vento que sopra. Se a semente chegar a brotar nesse solo, suas raízes por mais profundas que sejam darão pouca firmeza para a árvore, quando um vento forte passar pelo habitat daquela planta, ele descobrirá suas raízes e a deixará vulnerável ou mesmo a derrubará.
Muita gente vive sem firmeza na fé, sem firmeza na igreja e sem firmeza na Palavra e espera que a palavra pregada gere mudança em sua vida, mas isso nunca ocorrer. A solução para tornar um campo arenoso num campo fértil é ele está localizado perto de um rio. Na época das enchentes, quando o rio transbordar e inundá-lo as águas trarão consigo os nutrientes que podem transformá-lo num campo fecundo. Busquemos Aquele que pode fazer brotar fontes e rios no nosso interior, o Maravilhoso Espirito Santo, Ele pode inundar nossas areias e torná-las férteis.
A AÇÃO DA PALAVRA E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS NO PROCESSO DE FAZER BROTAR
Não pode brotar o que não se plantou. Obviamente se uma pessoa não se rendeu verdadeiramente a Deus, não deve esperar mudanças em sua vida. (no capitulo 9 explico melhor o que significa se render verdadeiramente a Deus).
Não se pode brotar uma semente que secou demais. Muitas vezes recebemos uma palavra de Deus para aquele dia, para uma situação e não a praticamos. Esperamos que as promessas se cumpram. E em você, que efeito a mensagem tem surtido? Sabe querido, muitas vezes a pessoa quando sai da igreja nem se lembra mais o que foi pregado. São pessoas para quem a semente secou demais. Elas se tornaram insensíveis, indiferentes.
A palavra de Deus quando pregada é como se Deus nos enviasse uma carta, o pregador é o carteiro, Ele bate a porta, entrega a correspondência e vai embora. O destinatário que é a igreja (somos nós) precisa abrir a carta, ler o que ela diz e respondê-la. Entretanto, parece que tem momentos em que o carteiro traz, mas nem abrimos, nem lemos e muito menos respondemos. O Senhor diz em Isaías 55.11 que sua palavra não volta vazia. Toda mensagem de Deus ou traz restauração ou juízo. Ela nunca volta sem cumprir este propósito.
Que o Espírito Santo nos abra o coração como abriu o coração de Lídia (At. 16.14) para entendermos e aplicarmos a palavra de Deus em nossas vidas.

Fonte: gospelprime.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas