O isolamento é filho da discórdia

O isolamento é filho da discórdia. Desentendimentos, brigas e discussões em que se desferem flechas envenenadas no coração do outro sempre terminam em lugares onde nos vemos sozinhos, ruminando o azedume da solidão, mais uma vez. Somos seres relacionais. Aliás, irremediavelmente relacionais. Não conseguimos viver vida boa sem o outro. No jardim, se ouviu: “Não é bom que o homem esteja só”. Mas uma coisa é saber que precisamos de comunhão, outra coisa é mantermos comunhão uns com os outros.  

O caminho para se manter ajustado com o outro não é ir na direção do outro, sem antes ir na direção de Deus. Se há algo inegociável para que se mantenham sadios os nossos relacionamentos, essa é a comunhão com Deus e a santidade que a sua luz provoca em nossos caminhos. De outro lado, quando nos vemos sozinhos e isolados devido aos nossos erros, falas agressivas e atitudes que machucaram o outro, está na hora de abandonarmos as trevas e andarmos na luz como o Senhor Jesus andou.

“Se porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros.” 1Jo1.7


Marcelo Coelho
via Cada Dia / guiame.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas