Jesus não topou o “jeitinho brasileiro”

Nesses últimos dias tenho refletido bastante sobre a espiritualidade cristã.  Meu diagnóstico quanto a esse assunto não foi muito agradável. Temos visto uma gigantesca onda de apatia espiritual, um enorme abismo entre a teologia e a oração, e a ausência de integridade e coerência entre nossas convicções e a vida.
Os cristãos do século 21, principalmente os jovens, vivem um grande desafio diário para manter o foco numa espiritualidade cristã, bíblica e saudável. A cruz de Cristo, sem dúvidas, representou uma escolha, um caminho que Jesus decidiu trilhar: o caminho da obediência e fidelidade ao Pai. A espiritualidade cristã requer obediência.

Em Mateus 4, o diabo propõe uma maneira para Jesus “ser” o Messias, um “jeitinho brasileiro”, como poderíamos dizer em nossos dias. Um caminho tentador, de muitas facilidades para que Jesus pudesse balançar e ceder. Transformar pedras em pães, pular do alto do templo e contar com o amparo dos anjos e “receber” toda autoridade tanto política, quanto financeira sobre todos os reinos e nações existentes. O que você faria nessa situação? Reflita um pouco sobre o contexto da situação. Fazia 40 dias que ele estava em jejum, esgotado fisicamente; porém, fortalecido espiritualmente. É natural que um ser humano tivesse fome, e foi isso que Jesus sentiu naquele momento. Se Jesus tivesse aceitado a oferta do diabo, num piscar de olhos teria uma massa de admiradores, pessoas famintas encontrando pão pelas ruas e estradas, encantadas com sua autoridade sobre os anjos e seres celestiais e com seu governo e poderio ditando as novas leis políticas e econômicas. Seria um atalho para estabelecer seu reino entre os homens.
Este não era o caminho de Deus. O reino que Ele nos oferece precisa nascer primeiro dentro de nós. As mudanças não acontecem rapidamente, de cima para baixo e nem de fora para dentro. É um reino que surge como uma pequena semente, que leva tempo para crescer e dar seus frutos. Não é imposto de maneira alguma, antes é aceito. Não é por força do poder, mas pelo coração quebrantado e a mente transformada pela “metanoia” causada através da Palavra de Deus em nós. O Rei deste reino não fica sentado em seu trono olhando todas as coisas que se passam, mas ele desce, habita entre nós como um servo e nos ensina a maneira correta, santa, justa e fiel de como um verdadeiro cidadão do reino deve viver (Fp 2.5-7).
Assim como Jesus, devemos sempre estar firmes (1Co 16.13) na Palavra e sermos fiéis ao Pai em todo tempo. Não se sinta inseguro ou com medo, caminhe olhando para alvo: Jesus, pois ele nos garante estar conosco para sempre!

Fotos: Internet
Diego da Silva Barros - Ultimato
Fonte: http://www.lagoinha.com/

Comentários

Postagens mais visitadas